Procurar por:
tratamentos lingua
Língua branca é normal? O que pode ser? Veja tratamentos

A língua branca está relacionada a diversos fatores e descobrir a sua real causa é essencial para acabar com o problema.

Essa condição pode ser devido a falta de higiene bucal ou até mesmo algumas doenças. Por isso, é importante estar se consultando periodicamente com um profissional em um consultório dentário para descartar a possibilidade de problemas na boca. 

Caso queira entender quais são as principais causas da língua branca, quais doenças podem levar a essa condição e os tratamentos para o problema, continue a leitura! 

O que é a língua branca?

lingua branca o que pode ser

A língua branca, também conhecida com saburra lingual são o excesso de microrganismos na superfície que levam ao surgimento de:

  • Halitose;
  • Irritação nas papilas;
  • Falta de paladar;
  • Língua áspera. 

Os resíduos que constituem a saburra lingual são providos de bactérias e células mortas causadas pelos alimentos consumidos, em que não houve uma higiene bucal correta.

Leia mais: Esmalte dentário: descubra o que é

Esse problema pode levar ao aparecimento de diversas doenças bucais, devido a sua placa branca e com várias bactérias. 

A língua branca pode ser resolvida com uma boa escovação dos dentes, uso de fio dental e principalmente a raspagem da língua, retirando todas as bactérias, melhorando o hálito e aumentando o paladar que foi perdido, devido aos microrganismos acumulados. 

Caso perceba que mesmo com a higiene adequada, a língua continua com aspecto branco, é preciso se consultar em uma clínica odontológica para que seja investigado o motivo pelo qual ainda o problema não foi resolvido.

Quais são as principais causas da língua branca?clinica

Como essa condição é mais comum em pessoas que não possuem uma higiene adequada da língua, a saburra pode ser então, uma das principais causas. 

Ao não ter uma boa higiene na língua, sem o uso de raspadores e escovas, é formada a saburra lingual, levando ao acúmulo de bactérias e potencializando doenças bucais e o mau hálito. 

Outras causas para esse problema são as doenças, em que é necessário uma investigação precisa para realizar um tratamento adequado. 

Quais são as doenças que podem deixar a língua branca?

A causa maior da língua branca é a má higiene bucal. Porém, ao descartar essa possibilidade, podemos estar falando sobre algumas doenças, como:

  • Candidíase oral;
  • Sífilis;
  • Leucoplasia;
  • Líquen Plano.

Essas doenças são de causas variadas, em que a candidíase oral é uma enfermidade comum que afeta qualquer pessoa. Ela também é conhecida popularmente como sapinho.

A sífilis é uma doença sexualmente transmissível, e a língua branca é um dos sinais em que  ela pode estar presente. Além de gerar manchas brancas e camadas na língua, ela pode afetar também outras partes do corpo. 

Por isso, ao perceber os sintomas após uma relação sexual desprotegida, é imprescindível buscar um médico. 

A leucoplasia é comum em pessoas tabagistas, e é uma doença que provoca manchas na boca e na língua. É uma condição benigna, entretanto, é preciso ficar atento aos sinais, pois pode ser um sinal de câncer bucal. 

Por isso, busque ajuda de um dentista especialista em gengiva para entender de qual problema se trata, e assim, realizar um tratamento adequado, descartando a possibilidade de problemas mais graves, como o câncer. 

O líquen plano é uma doença autoimune que não tem cura, porém existem alguns tratamentos para aliviar os sintomas. 

De modo geral, essa condição causa manchas na cavidade bucal, além do surgimento de feridas e aftas. 

Quais são os tratamentos para a língua branca?

O tratamento para esse problema poderá variar dependendo da condição em que o paciente se encontra. 

Por ser a causa mais comum, será focado sobre o tratamento da saburra lingual, que consiste apenas em manter uma higiene bucal adequada, usando raspadores de língua, fio dental e uma escovação que retire toda a placa bacteriana. 

No caso de doenças que provocam a língua branca, é preciso consultar um especialista para entender qual tratamento será o mais pertinente para essa situação em questão. 

Quando procurar um dentista pela língua branca?

Ao realizar uma higiene bucal retirando toda a saburra e perceber que a língua branca não desaparece, é preciso, buscar um dentista emergência 24 horas

Dessa forma, ele poderá diagnosticar o problema e realizar o encaminhamento para outro profissional para tratar a condição. 

Qual a maneira correta de higienizar a língua?

Sabendo que a principal causa pela lingua branca é a higiene inadequada, separamos a ordem de como fazer a higienização correta da língua, sendo ela:

  • Primeiramente, fazer o uso do fio dental;
  • Depois, raspar a língua do começo ao fim dela;
  • Escovar os dentes com creme dental com flúor;
  • Para finalizar, use o enxaguante bucal.

Escovando os dentes após todas as refeições e raspando a língua ao menos duas vezes ao dia, esse problema irá deixar de existir. Caso seja devido a uma doença, é preciso consultar com um profissional ou uma clínica especializada em periodontia.

Agora que já sabe quais são as principais causas da língua branca, não deixe de fazer a higienização bucal correta. Então, caso perceba uma anormalidade mesmo fazendo a higiene adequada, busque o auxílio de um profissional.

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Qualivida Online, site no qual é possível encontrar diversas informações e conteúdos sobre os cuidados com a saúde física e mental.

saude da boca
Esmalte dentário: descubra o que é

Você já ouviu falar em esmalte dentário? Caso não esteja familiarizado com esse termo, saiba que ele é uma das partes mais importantes para a sua saúde bucal. Além disso, ele também carrega o título de ser a mais dura do corpo. 

Entretanto, mesmo sendo muito resistente, os esmaltes dentários não são indestrutíveis e por isso podem ser desgastados e destruídos. 

Ainda mais por bactérias que vivem na boca e microrganismos, principalmente quando o paciente não se compromete com sua higiene bucal em casos de uso de um aparelho invisível.

Portanto, confira a seguir tudo o que você precisa saber sobre os esmaltes dentários, bem como entenda a sua importância para a saúde bucal. 

Além disso, saiba os riscos que uma pessoa pode correr se tiver os esmaltes danificados, e como tratá-los e prevenir o seu desgaste para que possa ter um lindo sorriso para a vida toda.

Por que o esmalte dentário é importante?

O esmalte dentário nada mais é do que uma camada, como se fosse um esmalte de unha, que fica em volta dos dentes. Ela é extremamente dura e tem como principal responsabilidade servir de proteção. 

dentes limpos

Isso porque, os dentes possuem partes internas que são sensíveis como a dentina e a polpa. 

O trabalho do esmalte dentário é proteger essas partes de doenças bucais, assim como o sistema imunológico do corpo protege todo o sistema humano contra vírus, bactérias e microrganismos. 

Dessa forma, uma vez danificado e fragilizado, esse tecido acaba deixando um caminho livre para que essas doenças possam afetar as partes sensíveis dos dentes, questão que pode chegar a gerar a extração dos mesmos fazendo com que o paciente precise buscar por uma prótese dentária.

Quais problemas a falta de higiene bucal pode causar?

Uma vez que foi possível entender a importância dos esmaltes dentários, é importante saber que uma das coisas mais comuns que podem gerar desgastes nesses tecidos é justamente a falta de higiene bucal. 

Isso acontece porque a falta de higiene bucal na verdade é a grande vilã de problemas bucais. Basicamente, ao nos alimentarmos, os restos de alimentos ficam em nossos dentes e gengiva. 

Esses alimentos acabam atraindo bactérias que por sua vez, ao se alimentar desses restos acabam produzindo ácidos que acabam com os esmaltes dentários. 

Sendo assim, a falta de higiene pode causar doenças, como:

  • Cáries;
  • Tártaro;
  • Doença periodontal;
  • Placas bacterianas. 

Vale ressaltar que essas doenças podem ter desdobramentos caóticos, como por exemplo a necessidade de extração, assim como mencionado acima, ou até mesmo queda dos dentes nos casos mais graves, mesmo que estes possuam facetas de porcelana.

Como prevenir o desgaste do esmalte dentário?

A prevenção desse problema está atrelado à prevenção de quase 90% de todas as possíveis doenças bucais que possam afligir a saúde de sua boca. 

Portanto, para viver com dentes saudáveis, a primeira coisa que é preciso ter em mente é justamente a importância da higiene bucal. Portanto, não deixe de escovar seus dentes após todas as refeições, no mínimo três vezes ao dia, usando fio dental. 

Uma vez que tenha controle da higienização, não deixe de buscar um dentista especialista para fazer mais do que um clareamento dental a laser

É necessário voltar ao dentista a cada seis meses para avaliações e checagem. Somente dessa forma, é possível identificar problemas precoces e realizar alguns tratamentos de manutenção da saúde da boca. 

Por último, mas definitivamente não menos importante, outra coisa que deve estar atento é na sua alimentação. 

Os alimentos são extremamente importantes para a saúde do corpo como um todo e principalmente para a manutenção de um belo sorriso, além do clareamento a laser.

Beber água é fundamental para uma boca bem hidratada, questão importante para prevenir o desgaste do esmalte dentário. 

Além disso, alimentos ricos em cálcio e em outras vitaminas e nutrientes também vão ajudar o seu corpo a criar tecidos cada vez mais fortes e resistentes para um esmalte dental ainda mais saudável. 

Evite alimentos que tenham muito doce e que combine o açúcar com componentes líquidos, como por exemplo o refrigerante. 

Isso porque, esses alimentos potencializam a ação das bactérias e multiplicam as chances do desenvolvimento de doenças bucais que podem desgastar o esmalte dos dentes. Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Qualivida Online, site no qual é possível encontrar diversas informações e conteúdos sobre os cuidados com a saúde física e mental.

doutor
Agenda de pacientes: Veja como gerir os horários de consultas

Ter uma agenda de pacientes bem gerenciada traz diversos benefícios não só para o consultório ou clínica e o médico, mas também para a experiência do paciente. A agenda de consultas é uma ferramenta que direciona o funcionamento do dia a dia da clínica. 

Por isso, caso ela não seja bem gerenciada pode causar uma série de problemas, como a queda na produtividade, perda de tempo e de dinheiro e pode trazer também uma reputação ruim para os profissionais envolvidos. 

Veja ainda: Saúde mental durante a pandemia da Covid-19: o que mudou?

Há algum tempo atrás era muito comum usar a agenda de papel. No entanto, como gerenciar a agenda médica requer bastante cuidado e organização, esse não é um método tão confiável e hoje em dia existem outras maneiras mais seguras de organizar a agenda de pacientes. 

Para isso, é preciso considerar algumas questões importantes que vão desde a utilização correta das ferramentas até um bom relacionamento interpessoal. Para ajudar, separamos algumas dicas de como gerenciar a agenda médica e ter sucesso com o paciente. Afinal de contas, uma experiência ruim pode fazer com que ele procure outro atendimento. Confira agora!

medica

Como gerenciar a agenda de pacientes: 5 dicas

  1. Tenha um horário limite para as consultas

Certamente alguma vez na vida você foi até uma consulta médica e precisou ficar esperando ser atendido, certo? Ter algum tipo de atraso acontece e as pessoas entendem. Afinal, pode ser que haja algum imprevisto e a consulta demore mais tempo do que aquele que você programou. 

Contudo, saber qual é a duração média da consulta é fundamental para que você consiga programar a agenda de pacientes da maneira mais eficaz. Incluir pequenos intervalos entre uma consulta e outra também evita que haja muita espera, e aglomerações. Além disso, se a consulta adiantar, o paciente não vai se importar, não é mesmo?

Dessa forma, você gera uma boa experiência para o paciente que sabe que pode chegar na hora marcada que não vai precisar esperar, por exemplo. Para você é uma ótima forma de como gerenciar a agenda médica, pois vai saber quantas pessoas é capaz de atender por dia. 

Leia também: Agendamento de exames e a transformação digital

  1. Confirme as consultas

Principalmente quando é marcada com muita antecedência, é possível que o paciente esqueça o agendamento da consulta. Portanto, confirmar a agenda de pacientes é fundamental para evitar perda de tempo. 

Imagina que você tem uma agenda de consulta lotada em um dia e várias pessoas simplesmente não aparecem? Serão muitas horas perdidas, não é mesmo? Para manter a agenda de consultas em dia e evitar ser pego de surpresa, escolha um dia da semana para confirmar os horários da próxima. 

Por exemplo, você pode entrar em contato com os pacientes na quinta para confirmar o agendamento da consulta da semana seguinte. Com isso, caso alguém desmarque ainda terá tempo de encaixar outro possível paciente que estiver na fila de espera. 

Outra maneira de evitar cancelamentos ou ausências em consultas é enviar mensagens de lembrete para o paciente quando estiver próximo da data. 

Leia também: Tecnologia e medicina: quais os benefícios dessa combinação?

  1. Alinhe horários com o responsável por sua agenda de consulta

Caso você tenha alguém para gerenciar sua agenda médica, deixe a pessoa alinhada com todos os seus horários. Se surgir uma viagem de última hora, ou qualquer outro compromisso, ela precisa saber para bloquear sua agenda e não marcar nenhum paciente, certo?

Isso evita o desgaste de pedir ao paciente para remarcar a consulta e economiza tempo.

  1. Opte por uma plataforma de gestão

A tecnologia trouxe diversos benefícios para o setor da saúde. Assim como já é possível fazer uma prescrição eletrônica, também há a opção de ter uma agenda online. Dessa forma, outra dica de como gerenciar a agenda médica é optar por um software de gestão de agenda de consultas. 

Com esse tipo de aplicativo ou plataforma é possível manter sua agenda de paciente online e a própria pessoa visualiza os horários disponíveis e marca sem o intermédio de uma outra.

O médico recebe atualizações imediatas e consegue ter acesso à agenda pelo próprio celular, já que as informações ficam armazenadas em nuvem. 

Caso não queira investir nesse tipo de plataforma, manter uma agenda virtual também facilita o processo. Nesse caso, é possível optar pelo Google Agenda, por exemplo. 

O mais importante é não contar apenas com a agenda de papel que pode pode facilmente ser danificada e comprometer o gerenciamento da clínica ou consultório. 

Veja no vídeo abaixo sobre como a tecnologia auxilia na experiência do paciente:

  1. Capacite a equipe de atendimento

Muitas vezes o primeiro ponto de contato do paciente com a clínica é a secretária ou a pessoa que faz o atendimento ao público. É fundamental que essa pessoa esteja treinada para lidar com o público e esteja alinhada com o propósito do consultório. É ela quem vai passar a primeira impressão para o paciente. 

Dessa maneira, é preciso que ela seja empática e consiga compreender a dor do outro e também educada para lidar com qualquer tipo de situação. 

Agora que você já sabe as principais dicas para gerir uma  agenda de pacientes , você também pode gostar de saber sobre como funciona o marketing digital para médicos? Veja as melhores estratégias

Este texto foi escrito pela Memed, um ecossistema digital de saúde que proporciona diversas facilidades para o médico, como a prescrição digital. Dentre suas vantagens, podemos citar o envio da receita por SMS ou WhatsApp ao paciente; mais de 60 mil medicamentos cadastrados; alertas de interações medicamentosas, entre outras.

saude mental
Saúde mental durante a pandemia da Covid-19: o que mudou?

É comum negligenciarmos a maioria das práticas que priorizam nossa saúde mental, especialmente em um momento em que o nosso bem-estar físico é ameaçado, como vivenciamos durante a pandemia da Covid-19.

É essencial compreender que a saúde mental merece ser priorizada da mesma maneira que priorizamos os cuidados com o corpo. O objetivo é ser cada vez mais gentil consigo mesmo.

Seja por meio de planos de saúde adequados as suas necessidades, que cubram serviços como a psicoterapia, ou através de atividades que diminuam o estresse e a ansiedade, como a yoga e a meditação.

Mas o que fazer para se manter saudável e equilibrado em tempos de readequação social?

Quais são as preocupações da comunidade médica?

Dois anos depois do início dos casos, ultrapassamos a marca de 658,3 mil mortes por Covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos, que contabilizam quase 800 mil mortes.

No que concerne à saúde mental, com esse cenário de luto cada vez mais comum, a preocupação é ainda mais acentuada.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil é o país mais ansioso da América Latina, sendo a solidão um dos principais gatilhos para os transtornos de humor.

De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), mais ou menos 47% dos psiquiatras entrevistados perceberam um aumento nos atendimentos após o início da pandemia. Além disso, mais de 89% desses profissionais comentaram o agravamento do quadro psiquiátrico dos pacientes.

Para suprir a demanda, os atendimentos psicológicos durante a pandemia aumentaram exponencialmente.

cuidados com a saude

O que fazer para cuidar da saúde mental no pós-pandemia?

  1. PROCURE POR AJUDA PROFISSIONAL

Quando for possível, procure por um especialista e atenda regularmente às sessões, seja virtual ou presencialmente. Hoje em dia acham-se opções inclusive para quem não tem acesso a profissionais especializados.

Existem projetos sociais que oferecem atendimento gratuito. Algumas universidades públicas e privadas, por exemplo, oferecem acompanhamento psicológico com estudantes da área, devidamente acompanhados por profissionais certificados.

  1. PRIORIZE O SEU SONO

Durante o sono, nosso organismo “exerce as principais funções restauradoras do corpo”. É o que diz a Pfizer, instituição reconhecida especialmente pelo combate à pandemia do coronavírus

O sono é capaz de regular o metabolismo, fortalecer o sistema imunológico e revigorar a memória, reduzindo as chances de desenvolver transtornos mentais e doenças cardiovasculares.

Lembre-se de que os adultos necessitam de pelo menos 7 horas de sono por dia, enquanto os adolescentes precisam de 8 a 10 horas. As crianças precisam dormir de 9 a 13 horas por dia, ao passo que os bebês necessitam de 12 a 16 horas diárias.

  1. LIMITE O TEMPO NOS SITES DE NOTÍCIAS

É fundamental se manter atualizado sobre as medidas de segurança e procedimentos recomendados pelas autoridades de saúde, principalmente no momento de transição para as atividades presenciais.

No entanto, a intensidade das notícias consideradas por muitos como gatilhos podem agravar os quadros de ansiedade. A dica é estabelecer um tempo limite para a checagem de notícias.

  1. PROCURE POR TRATAMENTOS QUE DIMINUAM O ESTRESSE

Em razão de vivermos uma época de consumo acelerado, acreditamos plenamente que o nosso tempo “ocioso” precisa ser ocupado de alguma maneira, mantendo certos padrões de consumo pouco saudáveis.

Entre as atividades que auxiliam na diminuição do estresse e, por consequência, a ansiedade, destaca-se a massoterapia, a acupuntura, a meditação, o reiki e a yoga.

Vale lembrar que existem diversos aplicativos, pagos e gratuitos, para praticar algumas dessas modalidades no conforto da sua casa.

  1. MANTENHA O CORPO EM MOVIMENTO

Manter o corpo parado por longos períodos pode prejudicar a saúde do seu corpo e da sua mente, mesmo que você pratique atividades físicas todos os dias por alguns minutos.

Mas é importante pensar no exercício físico como uma alternativa ao estresse diário, e não como algo penoso e desgastante, como pode acontecer em algumas academias.

Corpos em movimento ajudam no combate à insônia, auxiliam o sistema nervoso central e liberam endorfina, substância que garante a sensação de bem-estar, elevando a autoestima e reduzindo sintomas de ansiedade e depressão.

  1. ATENTE-SE ÀS CRIANÇAS

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), estima-se que mundialmente pelo menos uma em cada sete crianças com idade entre 10 e 19 anos viva com transtornos mentais. E esse número pode ser ainda maior, visto que esses dados contemplam apenas crianças diagnosticadas.

É importante pontuar que crianças e jovens também são afetados diretamente pelo lockdown, também sofrem com as perdas na família, também têm suas rotinas interrompidas e se encontram preocupados com o futuro.

Pronto, você já pode analisar quais dessas dicas fazem sentido para o seu estilo de vida e começar a praticar! Lembre-se de que o auxílio de um profissional é sempre indicado.